Blog do Cadu: Aula de imperialismo contemporâneo

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Aula de imperialismo contemporâneo

Os EUA se tornaram uma potência imperial na disputa pela sucessão da Inglaterra como potência hegemônica, com a Alemanha. As duas guerras mundiais – tipicamente guerras interimperialistas, pela repartição do mundo colonial entre as grandes potências, conforme a certeira previsão de Lênin – definiram a hegemonia norteamericana à cabeça do bloco de forças imperialistas.

Por Emir Sader*

No final da Segunda Guerra, os EUA tiveram que compartilhar o mundo com a URSS – a outra superpotência, não por seu poderio econômico, mas militar, que lhe dava uma paridade política. Foi o período denominado de “guerra fria”, que condicionava todos os conflitos em qualquer zona do mundo, que terminavam redefinidos no seu sentido no marco do enfrentamento entre os dois grandes blocos que dominavam a cena mundial.

Nesse período os EUA consolidaram seu poderio como gendarme mundial, poder imperial que tinha se iniciado na América Latina e o Caribe e que se estendeu pela Europa, Ásia e África. Invasões, ocupações, golpes militares, ditaduras – marcaram a trajetória imperial norteamericana. Montaram o mais gigantesco aparelho de contra inteligência, acoplado a um monstruoso aparato militar.

Terminada a guerra fria, com a desaparição de um dos campos e a vitória do outro, esses mecanismos não foram desmontados. A OTAN, nascida supostamente para deter o “expansionismo soviético”, não foi desmontada, mas reciclada para combater os novos inimigos: o “terrorismo”, o “islamismo”, o “narcotráfico”, etc.

Os documentos publicados confirmam tudo o que os aparentemente paranóicos difundiam sobre os planos e as ações dos EUA no mundo. Eles são a única potência global, aquela que tem interesses em qualquer parte do mundo e, se não os tem, os cria. Que pretende zelar pela ordem norteamericana no mundo, a todo preço – com ameaças, ataques, difusão de notícias falsas, ocupações, etc., etc.

Qualquer compreensão do mundo contemporâneo que não leve em contra, como fator central a hegemonia imperial norteamericana, não capta o essencial das relações de poder que regem o mundo. A leitura dos documentos é uma aula sobre o imperialismo contemporâneo.



*Retirado do Blog do Emir Sader (clique aqui)



**Leia também “Jobim, fofoqueiro, enfiou tumor na cabeça de Evo Morales” do Site VioMundo (clique aqui)

Um comentário:

GAbiRu disse...

é a primeira vez que eu vejo um sócio-comunista, ao menos indiretamente, admitir o imperialismo soviético. ou a guerra fria não era entre impérios?

faltou ele se aprofundar um tiquinho mais e explicar o motivo da vitória americana contra a potência militar soviética. quer dizer, ele chegou a comentar que a URSS NÃO era uma potência econômica, era somente militar, faltou encarar o fato de que o planejamento IMPEDE a pujança econômica. vc lembra da hostória dos desfiles com mísseis de papelão, né?

venha para o negro da força luke. digo, cadu. :p