Blog do Cadu: Demóstenes já foi herói de Reinaldo Azevedo

sábado, 3 de março de 2012

Demóstenes já foi herói de Reinaldo Azevedo

O o falso moralista e colunista da Veja, Reinaldo Azevedo e Demostenes, senador pelo DEM
É triste o fim do senador Demóstenes Torres (DEM/GO), amigo do peito do mafioso Carlos Cachoeira. Afinal, como ensina a sabedoria, perdoa-se o pecador; o pregador, jamais. Demóstenes Torres sempre foi um pregador moral no Congresso, pronto a atacar qualquer desvio da base aliada. Assim, ele se tornou fonte preferencial de boa parte daquilo que se convencionou chamar de PIG, o Partido da Imprensa Golpista, cujo representante mais célebre é o jornalista Reinaldo Azevedo.

Retirado do site Brasil 247clique aqui

Pois Demóstenes sempre foi um dos grandes heróis do blogueiro da revista Veja. Num post recente, Reinaldo exaltou “a coragem de Demóstenes”. E deu como subtítulo o texto “Por uma direita democrática, por mais rigor penal, contra as contas raciais e NÃO à descriminação das drogas”.

Só rindo. O amigo do bicheiro defendia mais rigor penal e combatia a liberação das drogas. Eis o que escreveu Reinaldo Azevedo sobre seu herói:

“Admiro a sua atuação política, como sabem os leitores deste blog. Nem sempre concordo com ele, é fato. Mas sempre lhe reconheço a argumentação consistente e corajosa. Está entre as pouquíssimas vozes do Congresso que dizem o que pensam com clareza, sem temer os “aiatolás” de causas privadas tornadas autoridades públicas. Demóstenes afirma, e eu concordo plenamente, que um dos males do país são as oposições, muitas vezes, querem se parecer com o governo. Defende, entre outras tantas, algumas das boas causas: maior rigor penal contra o crime, fim das cotas raciais e um “não” peremptório à descriminação das drogas.”


Abaixo, alguns trechos da entrevista citada à Veja:

Sobre Palocci

Tudo indica que, depois do escândalo do caseiro, ele novamente tenha caído em tentação. Mais uma vez, a mão forte do governo parece estar pesando sobre o Congresso. Essa tentativa de blindagem que foi arquitetada pela base aliada só transmite duas mensagens: que Palocci realmente deve e que o governo é conivente com as atitudes dele, o que é inconcebível em um país democrático. Todo homem público deve prestar contas à população.

(nosso comentário: o senhor também caiu em tentação, Demóstenes?)

Sobre Segurança Pública

Defendemos uma política de segurança pública sem tantos benefícios aos detentos, como indultos e progressão de pena. A violência só refluiu em locais nos quais se aplicaram com rigor as políticas convencionais. É o caso do estado de São Paulo, onde os índices de homicídio diminuem ano a ano. A frouxidão penal é uma lástima e um incentivo para os criminosos.

(nosso comentário: bicheiros devem ser presos, senador?)

Sobre ser de direita

A direita não tem compromisso com a quebra da ordem constitucional. Ao contrário, ser de direita é justamente defender os valores institucionais, como a lei e a democracia. Por isso, a meu ver, ser de direita significa combater o ideário que põe em risco os valores mais nobres da democracia ao pregar o aparelhamento e o inchaço do estado, o desperdício de dinheiro público e o assistencialismo desmedido.

(nosso comentário: ser de direita é defender a lei recebendo presentes de mafiosos, senador?)

Sobre descriminação das drogas

A droga é a origem de inúmeros crimes, e o usuário não pode ser tratado apenas como uma vítima, uma vez que alimenta esse ecossistema pernicioso. Além disso, a lei já o protege, impedindo o cumprimento de pena. Em vez de liberar o consumo de drogas, o governo deve construir centros dignos de tratamento e reabilitação para viciados.

(nosso comentário: quem joga não alimenta nenhum sistema pernicioso?)

No caso do senador Demóstenes Torres, a incoerência entre o que diz e o que faz é tamanha que, em 2004, ele defendeu a criação de uma CPI dos Bingos, quando se descobriu que o ex-assessor da Casa Civil, Waldomiro Diniz, pedia propinas a Carlinhos Cachoeira. Ué, mas o Carlinhos Cachoeira não havia abandonado o crime?

Leia, abaixo, reportagem da época:

O senador Demóstenes Torres (PFL-GO) leu da tribuna os resultados de pesquisa do Datafolha divulgada nesta terça-feira (2), a qual revela que 81% dos eleitores do país querem a CPI para investigar o caso Waldomiro Diniz e outros 83% apóiam uma CPI para investigar as atividades dos bingos no Brasil. Já 67% dos entrevistados afirmaram que o ministro chefe da Casa Civil, José Dirceu, deve se afastar do cargo ou se demitir definitivamente.

Para ele, o governo Lula está "abatido, sem ânimo moral," por causa das denúncias dos últimos dias envolvendo em corrupção um assessor do ministro José Dirceu. Demóstenes Torres acha que, "depois de ter perdido o primado da probidade", o governo do PT "perambula em sérias indecisões éticas e desencontros políticos".

- Durante 24 anos, o PT apedrejou o Estado brasileiro como se ele fora uma mulher adúltera. É compreensível que o partido, que ostentava ímpeto raivoso a cada passo em falso dos governos de então, perca a sede de escândalos e das CPIs - acrescentou.

Para o senador, a esta altura "nem mesmo Eremildo, o idiota, personagem do jornalista Elio Gaspari", acredita nas CPIs do Waldomiro e dos bingos.

Instalada a crise após as denúncias, continuou Demóstenes Torres, "o núcleo duro do governo reage como se tivesse miolo mole" e patrocina atos como o jantar de desagravo a José Dirceu na casa do ministro das Comunicações, na última quinta-feira, "que acabou se convertendo em convescote alcoolizado". Depois, continuou, "imaginou-se o fechamento dos bingos e caça-níqueis e, o que era para ser um ato de agenda positiva, se transforma numa manifestação de protesto de 320 mil desempregados dos bingos".

- O PT não está preparado para enfrentar protestos. Bastaram as manifestações maciças em São Paulo para que o ministro da Justiça dizer uma coisa pela manhã e mudar de opinião à tarde, sobre a MP dos bingos - observou.

O senador Demóstenes Torres disse que continuará exigindo, como vem fazendo desde o ano passado, que a Caixa Econômica Federal forneça ao Senado a documentação completa sobre a renovação de contratos com a empresa norte-americana Gtech. Citou informação da revista Istoé Dinheiro de que a Getech "possui extensa folha corrida globalizada de falcatruas".

Em aparte, o senador Arthur Virgílio Neto (AM), líder do PSDB, lembrou ter assinado com Demóstenes, em junho passado, o pedido de informações à Caixa, negadas até agora. "O governo não está sequer aceitando que existe uma crise. Isso pode custar a governabilidade do país", disse.Também em aparte, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) sustentou que a questão ética continua sendo o norte do PT e observou que "até a Polícia Federal terá dificuldades" para investigar o caso Waldomiro Diniz, pois o principal envolvido se recusou, nesta terça-feira (2), a responder a 50 perguntas do delegado que comanda as investigações.

Nenhum comentário: