Blog do Cadu: CPI do Cachoeira: chega de dar a outra face

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

CPI do Cachoeira: chega de dar a outra face





Foi com alta dose de frustração que militantes e simpatizantes do PT ou mesmo aqueles que anseiam por um país verdadeiramente democrático, receberam a confirmação da retirada de Policarpo Júnior, conhecido pela quadrilha do Cachoeira como “Caneta” ou “Poli” e do Procurador (ou seria prevaricador?) Geral da República, Roberto Gurgel do relatório da CPI batizada com o nome do bicheiro.


Ao deixar vazar o conteúdo de seu relatório à Globo, o deputado Odair Cunha (PT-MG), armou o front adversário contra si.

O indiciamento de Policarpo Júnior não é – ou seria – um ato de revanchismo, como apregoam tucanos, grande mídia e adjacentes. Suas relações com a quadrilha eram muito mais do que relação fonte/jornalista. Isso que disse não foi o relatório de Cunha, foi a Polícia Federal. Seria um ato de justiça. Justiça porque não dá mais para ter no Brasil a imprensa suja como ela está. Do apoio à ditadura a relações com bicheiros e práticas de arapongagem barata.

Jornalista bandido, bandido é. E pronto. Não tem mais, mais. Policarpo envergonha até os jornalistas conservadores, se estes forem de fato jornalistas.


Também não seria ato de revanchismo o indiciamento ou pedido de investigação para o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) de Roberto Gurgel. Ele recebeu provas para inciar uma investigação contra Demóstenes Torres, braço da quadrilha de Cachoeira, e nada fez. Isso ainda na Operação Vegas. A PF precisou iniciar outra operação, a Monte Carlo, para pegar o ex-senador e mosqueteiro da ética de Veja.

Revanchismo é que a grande imprensa faz com reportagens falsas, com ocultação de informação e toda a campanha pseudo moralista contra Lula e o PT. São derrotados em todas as eleições desde 2002 e não sabem mais o que fazer para além dessa prática. Usam a concessão pública, no caso da mídia eletrônica, para seus interesses políticos e econômicos. No caso dos impressos, o jornalismo de verdade, se muito, está nas notas de rodapé.

Globo, Veja,Estadão e Folha. Este é o quarteto do apocalipse midiático brasileiro.

Sobre o recuo de Cunha e do PT. Algumas ponderações precisam ser feitas.

Primeiro que a base mostrou-se mais do que inconfiável para questões de fundo. Este relatório poderia iniciar um debate de verdade sobre os meios de comunicação no Brasil. Deputados e senadores da base governista, estavam na linha de frente na defesa de Policarpo. Tudo por boas matérias, recomendações e elogios vindos da grande imprensa.

Até o PSOL, com todo o seu radicalismo, serve de bom grado aos mandos da grande mídia.

O ego é realmente o pecado predileto do Diabo.

Segundo que o nível das pressões sofridas nos bastidores por Odair Cunha será de conhecimento de poucos. O jogo bruto que acontece nos corredores do Congresso devem ser de dar enjoo até no “Seu Lunga”, ícone da brutalidade.

Ao afirmar aqui a central importância da correlação de forças para se aprovar um relatório com o conteúdo original de Cunha, não significa defender acerto por parte do relator. Ou do PT.

Li comentários de que a retirada foi para aprovar o resto. Como o pedido de indiciamento do governador de Goias, Marconi Perillo.

Esse é uma tática falida. Não há nenhuma garantia de que essa parte do documento será aprovada.

Às vezes a gente perde ganhando e ganha perdendo. Se o pedido de indiciamento do governador goiano for aprovado, essa tese – sendo verdadeira – será vitoriosa, mesmo, pessoalmente, discordando dela.

Odair Cunha ou o PT deveriam ter mantido Policarpo e Gurgel no relatório. Se perdesse sua aprovação no plenário da CPMI ou no Congresso Nacional pelo menos não teria recuado perante os caprichos da grande imprensa. Caprichos esses que muito já custou à democracia brasileira.

Perderia a votação, mas venceria politicamente.

Daria ânimo a militância, filiados ou não. Levantaria o debate da regulamentação dos artigos constitucionais da Comunicação Social.

Os desdobramentos desse recuo precisam ser acompanhados com atenção. Essas águas ainda estão passando por baixo da ponte.

A retirada do “Caneta” e do Gurgel foi um erro. Serve somente para dar mais moral para os ataques que o próprio PT, aliados e o governo sofrem por parte da mídia.

A prática de dar a outra face ficou há 2000 anos atrás.

4 comentários:

Sérgio Vianna disse...

DEU NO BLOG DOS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA:

Odair Cunha faz o possível na CPI. Temos que criticar é Miro Teixeira, Taques, o PMDB e demotucanos.

A CPI do Cachoeira é um colegiado que tem 34 parlamentares titulares. Destes, só 5 são do PT e 2 do PCdoB.

Os demais partidos, salvo um ou outro parlamentar, são vozes discordantes em diversos temas. A maioria da base governista que apoia Dilma está também na bancada da Veja, da Globo.

O PDT, por exemplo, tem Miro Teixeira (RJ) e Pedro Taques (MS) que se aliaram aos demotucanos para blindar a imprensa e o Procurador-Geral, mesmo diante de tantas evidências.

O PMDB que, na época em que Renan Calheiros (AL) era alvo da Veja cogitou abrir uma CPI para investigar o Grupo Abril, não quis comprar brigas, preferindo fazer um acordão de bastidores com os barões da mídia.

...../////////////

Agora digo eu:

Lamento discordar. Mas é necessário.

Não sou da oposição. Ao contrário, sou petista de carteirinha e fundador do partido, ainda hoje militando na base onde já fui presidente da legenda. Tudo com muito orgulho.

Mas, para valer o raciocínio dessa postagem do "Amigos do Presidente Lula" a posição política deveria ser outra.

Se havia risco do relatório não ser votado, que se retirasse as partes citadas.

Mas, imediata e principalmente, que se apresentasse essa mesma parte retirada como proposta de emenda aditiva ao relatório. Ainda que apresentada por outro parlamentar do PT que não o relator. Óbvio.

Que os tais parlamentares da bancada da Veja e de proteção ao Procurador votassem a favor do relatório sem "aquelas partes" e que também votassem contra a emenda aditiva trazendo as "partes retiradas" de volta.

Que eles paguem o mico da subordinação aos interesses escusos da Veja, Globo e cia. com seus votos.

Ao se submeter dessa forma o PT se acovardou. Não há outra interpretação.

Sinto muito. O PT está deixando a desejar. O golpe está sendo armado e o PT permanece que nem o "bom cabrito", que não berra nunca.

Jango Goulart também achou que o comício do Rio seria suficiente para segurar seu governo. A história nos conta a barbárie a que o povo brasileiro foi submetido a seguir, a partir do 1º de abril e por vinte e cinco longos anos.

anisio luiz nogueira filho disse...

ESTOU ENOJADO...

RLocatelli Digital disse...

Mesmo com o risco de o relatório ser rejeitado, era importante o PT mantê-lo. Os outros que votassem contra. Teríamos um argumento excelente para apresentar à sociedade. Mas o PT caminha para ser um campeão de covardia política.

Xandaum_SP disse...

Quem muito abaixa, mostra a bunda, já dizia minha avó... PT tinha a faca e o queijo na mão, deu a faca para o bandido, o queijo para o rato e correu prá baixo da cama. Merece cada paulada que tem levado da grande mídia. Covardia grossa...