Blog do Cadu: Fim de ano explosivo em Alagoas

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Fim de ano explosivo em Alagoas



Por volta das 18h30min do dia 20 de dezembro, aconteceu uma explosão no depósito de armas da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic) da Polícia Civil do estado de Alagoas, situado no centro da cidade de Maceió. Informações dão conta de que havia em torno de 60 kg de explosivos no local.

Três pessoas ficaram feridas e houve uma vítima fatal. Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol), Amélia Dantas. Em nota, o Sindpol acusou o governo do estado de descaso com as condições de trabalho dos policiais civis.

Segundo a Norma Regulamentadora nº 19, da Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho, em consonância com o Regulamento para fiscalização de produtos controlados do Exército brasileiro (R105), “deve-se situar os depósitos nos lugares mais isolados disponíveis, separados um do outro, e de estradas de ferro, rodovias, edifícios habitados”.

O governador afirmou pelo seu perfil no Twitter que todas as medidas para averiguar as causas da explosão serão tomadas.

A primeira causa que deveria ter sido tomada era a localização do paiol da Deic. No centro da cidade, com faculdades, comércio e residências próximas. As normas de segurança relativas à distância de lugares com pessoas existem por algum motivo.

Mesmo que todas as outras sobre as condições do local, como umidade, clima, instalações elétricas ou o depósito de detonadores não estar no mesmo local dos explosivos estivessem sendo cumpridas, a da distância, que é a principal por causa da população, não estava.

Em uma rua vizinha à Deic, pessoas tentavam retomar suas vidas após o susto. Várias casas tiveram vidros quebrados e até telhados foram destruídos. O lixo tomou conta e algumas famílias estavam se retirando de suas casas até que as coisas se normalizassem.

Que belo fim de ano o Estado alagoano ofereceu a essas famílias, não é mesmo?

O professor universitário Moezio Vasconcellos, disse que a explosão aconteceu quando ele estava chegando à sua casa. “Minha irmã me ligou desesperada, contando que a casa tremia”. “Por sorte aqui só tivemos dois vidros quebrados, mas a casa da esquina, até o telhado se soltou”, comenta.

O advogado Raoni Gama, afirmou que além das indenizações por danos materiais, os moradores que sofreram os efeitos da explosão também devem pedir danos morais, apesar de reconhecer que esse tipo de ação depende “da cabeça do juiz”.

“O moral tem a ver com subjetivismo. Tem que atingir a personalidade da pessoa. O dano precisa abalar emocionalmente de tal modo que só reste a indenização como forma de tentar a remediação”. Mas como se mensura isso? “Não se mensura”, respondeu.






 Clique nas fotos para ampliar

Nenhum comentário: