Blog do Cadu: Sentimento único aos médicos brasileiros: vergonha

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Sentimento único aos médicos brasileiros: vergonha

Médico cubano, negro, que chegou para atender onde os brasileiros não querem
É com profunda vergonha que se vê a postura de alguns médicos brasileiros nesses dias de chegada dos estrangeiros para o programa Mais Médicos. Se deram ao trabalho de ir a aeroportos vaiar os colegas que aqui chegam para ir onde ninguém vai, mas não vaiam aqueles que usam dedos de silicone nos postos de saúde ou os que batem o ponto e vão para seus consultórios chiques atender a elite ao tempo que recebem do Estado sem trabalhar.

Para os “siliconados” vale a máxima – que tem sua razão – de que se paga mal ou falta estrutura. Mas esquecem que também há postos e hospitais com equipamentos e falta de profissionais para colocá-los a funcionar. Os médicos brasileiros, a cada dia, mostram a vergonha do corporativismo doentio. Mostram que, ao contrário do que querem a todo custo nos fazer pensar, nunca cursaram medicina para ajudar as pessoas, apenas para ter status e riqueza. E uma certa dose de poder político, por que não?

É sabido até pelos pardais urbanos que vivem equilibrado nas fiações elétricas das cidades que os médicos exercem certa influência política em seus pacientes. Tanto que até ameaçar Dilma Rousseff de “receber o troco em 2014” já o fizeram. Sem contar com colocações do tipo “espero que quem apoia a vinda dos cubanos um dia precise de um médico e apareça onde eu atendo”. Além de corporativistas e elitistas, são chantagistas. Vergonha é a melhor palavra para definir boa parte dos médicos brasileiros.


Os que aqui chegam estão obrigados a atender onde os médicos locais não querem. O governo federal jamais os obrigou a ir aos rincões do Brasil. Jamais os obrigou a realizar atenção básica. Ir de casa em casa, conversar com as pessoas, orientá-las a melhorar sua qualidade de vida, mesmo diante de localidades com problemas estruturais que também fazem vergonha.

A soberba ao afirmar que tais médicos – principalmente os cubanos – são incapazes é algo que dói em qualquer pessoa intelectualmente honesta. 107 países recebem ou receberam profissionais de saúde da ilha caribenha. É prática comum ao redor do planeta a importação de médicos. Mas aqui os nossos não aceitam essa premissa. Simulam até preocupação com direitos trabalhistas. Se tivessem alguma preocupação além do status e riqueza, vaiariam – como dito acima – seus colegas que fraudam o erário e não aqueles que chegam para atender os mais pobres.

Esses que vaiam os cubanos não vão às ruas protestar contra médicos estupradores como Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de cadeia por violentar 37 mulheres. Não vão às ruas reclamar da postura dos planos de saúde que negam inscrição a idosos ou quem eles julgam com alto risco de uso dos serviços que afirmam oferecer. Não dão um pio sobre os inúmeros tratamentos que não são cobertos e só descobertos nos corredores dos hospitais. Se quer se indignam com colegas que vão a restaurantes com seus jalecos os entupindo de bactérias e ajudam a adoecer ainda mais os doentes. Tudo para andar nas ruas e as pessoas verem que ali está um médico.

Talvez parte do devaneio psicológico, da mania de grandeza que alguns exalam pelos poros se dê pelo título de doutor, mesmo mal terminado sua graduação. Termo aliás, imposto às pessoas por dom Pedro II a médicos e advogados. Esses profissionais devem ser tratados por esse pronome. Mais um absurdo brasileiro tratado como natural. Doutor é quem fez doutorado.

O comportamento desses médicos apenas reafirma a justeza do programa federal. A elite de branco apenas assina em baixo a intenção do governo federal de garantir atendimento aos mais pobres. Esse é o xis da questão. E aqueles que querem permanecer atendendo em salas com ar-condicionado madames em seus carrões SUV que continuem a fazer. Mas não tem o direito de impedir que os mais pobres tenham atendimento médico.

Vergonha. Essa palavra de oito letras é o que se sente ao ver a reação daqueles que juram de pés juntos dedicar a vida a salvar vidas, mas vaiam aqueles que estão em solo brasileiro para fazer o que eles dizem que fazem, mas ninguém vê.

19 comentários:

FABIO CORDEIRO disse...

pq. médico negro e não simplesmente médico?

FABIO CORDEIRO disse...

POR QUE? PESSOAS PRECONCEITUOSAS FALAM MÉDICO NEGRO E NÃO SIMPLESMENTE MÉDICO, ACHO QUE A MÍDIA GOSTA DE POR LENHA NA FOGUEIRA

Henrique Dias disse...

Medico brasileiro raça dinheirista.

Waldeci Naldo disse...

Texto fantástico. Existe uma demanda muito grande por mais médicos, por isso os "doutores" brasileiros só atendem quem querem e que paguem o que querem receber, um verdadeiro absurdo.

Maria Aparecida da Silva Godoi disse...

CADU AMARAL SE VOCÊ CONSEGUIR VEJA UM COMENTÁRIO QUE POSTEI ONTEM NO FACE eE QUE FOI RETIRADO EU COMENTAVA SOBRE ISTO
sinhagodoi@gmail .com ou cidinhagodoim@hotmail.com

Maria Aparecida da Silva Godoi disse...

CONCORDO COM O QUE PUBLICOU NÓS PRECISAMOS DE MÉDICOS ESTRANGEIROS PORQUE OS NOSSOS NÃO CUMPREM O SEU JURAMENTO DE SALVAR VIDAS.

MGP disse...

Mas tem um anonimo de
MT que respondeu lá em cima.....apesar de ter falado tudo o que penso.

Edson Júnior (Aracaju/Se) disse...

Cadu, senti vergonha do ato covarde, mesquinho e pequeno protagonizado por aquelas pessoas, e orgulho da altivez do cubano, com superior e destacada decência no olhar e no propósito de sua missão em nosso País. Mais preparo e consciência do seu papel que seus assustados e despreparados agressores, ressalto. O ato da violência explica, em parte, a ausência de médicos em regiões mais necessitadas e justifica a necessidade do MAIS MÉDICOS. Vendo aquelas duas agressoras em plena convulsão emocional, vem-me a inescapável pergunta: têm elas conhecimento antropológico, sociológico, profissional e emocional ao nível daquele médico afrontado? Demonstraram que não. No mais, Cadu, parabéns pelo texto e deixo um pedido de desculpas aos nossos irmãos cubanos. Muito obrigado a eles por atenderem a um chamado dos seus irmãos brasileiros. Sejam bem-vindos, companheiros, aqueles covardes não sabem o que fazem!

Edson Júnior - Aracaju-Se
TT: @Edson_Bomfim

Joely disse...

Concordo com essa pessoa que fez esse comentário, mas ele errou em escrever médicos cubanos negros, não poderia ele escrever só médicos cubanos? Isso pra mim já é racismo

dodi disse...

Brasileiros FDPsem vergonhas ainda tem coragem de ir vaiar que quer trabalhar!classe médica podre;

eraumavez disse...

Achei o texto ótimo... Mas concordo com o colega sobre mencionar que o médico negro. Antes da leitura, cheguei a pensar que os médicos brasileiros que vaiaram a chegada do colega cubano, o houvessem hostilizado também devido a sua cor. Informação completamente desnecessária. Ele é tão médico quanto qualquer outra, assim como é tão ser humano quanto todos nós. Aliás, certamente é alguém ainda melhor, porque diante da miséria que encontra em seu país e cuida de seus doentes, saberá não apenas cuidar dos nossos doentes, mas chegará perto deles, sem medo. Sem muito bem vindos ao nosso país!

Under_Siege@SAGGIO_2 disse...

é muito fdp por crm²...
LAMENTÁVEL!
Vergonha, vergonha, vergonha!

Vivam os médicos cubanos
:D

Manguetown disse...

Nao entendo porque alguns comentarios se fixaram na frase médico negro. Acho que autor queria ressaltar uma dos problemas envolvidos no conflito. O problema nao é a frase, o problema é a atitude dos médicos brasileiros, gente! O problema é essa grande farsa, na qual todos fingem acreditar, de que o Brasil é uma grande democracia racial! MENTIRA! Nem racial nem social. Parabéns Cadu pelo excelente texto!

Levi disse...

NÃO ACHO QUE O PROTESTO FOI POR SER NEGRO OU BRANCO, TIRARAM UMA FOTO DE UM MÉDICO NEGRO MAS ACHO QUE ESTAVAM VAIANDO TODOS POIS ESTÃO A SERVIÇO DE UMA DITADURA, E QUANTO AS CENTENAS DO PETISTAS QUE FORAM HOSTILIZAR A YOANI SANCHES, FORAM CENTENAS E ELA É SÓ UMA MENINA QUE TEM UM BLOG CONTRA UMA DITADURA. NINGUEM AQUI SE LEMBRA??? NINGUEM PARA DEFENDER ESSA COVARDIA?????

Eduardo disse...

É a força do "Dr." que tem feito algumas pessoas serem como estão demonstrando estes no aeroporto.
No entanto, conhecemos inumeros medicos que não seriam capazes de participar deste ato de ignorancia e, porque não dizer, "burrice" total, contra pessoas cuja formação é a mesma deles. Seriamos nós melhores que os estrangeiros?

Anônimo disse...

A Ditadura Cubana permite a Blogueira dizer oque pensa do governo e a deixa sair de seu pais viajando por outros e nem cortar a sua internet eles cortam ! enquanto a democracia americana aprisiona quem revela os sórdidos segredos do governo os condena a prisão perpetua ou a morte e obriga as mesmas pessoas a viverem em embaixadas para não serem presas e as faz implorarem por áxilo de algum pais que não tenha medo do Gigante! temos que analisar qual e a ditadura de verdade Levi !

Souza Pernambuco disse...

Monte de mauricinho e patricinha que estudam apenas para abrirem clínicas caras... É certo que o governo paga mal, mas deviam rever esse comportamento absolutamente antiético, pois com certeza não gostariam de serem recebidos assim em qualquer lugar do mundo. Com certeza esse povinho "mais ou menos" já estaria vomitando indignação na mídia se a situação fosse inversa. Hipócritas e arruaceiros... Getinha metida a emergente e se julgam com conteúdo. Puro lixo.

Souza Pernambuco disse...

Monte de mauricinho e patricinha que estudam apenas para abrirem clínicas caras... É certo que o governo paga mal, mas deviam rever esse comportamento absolutamente antiético, pois com certeza não gostariam de serem recebidos assim em qualquer lugar do mundo. Com certeza esse povinho "mais ou menos" já estaria vomitando indignação na mídia se a situação fosse inversa. Hipócritas e arruaceiros... Getinha metida a emergente e se julgam com conteúdo. Puro lixo.

Anônimo disse...

Esses coxinhas são bestas mercenárias que praticam Medicina pra quem pode pagar, nada a ver com os Médicos Cubanos que praticam Medicina, essa de verdade, que ajuda a quem nada tem e está enfermo.

Por médicos com "cara de empregada doméstica", porque mercenário da Medicina o Brasil está cheio!







.
.
.

Helder