Blog do Cadu: The Economist: Assassinato no Brasil (Alagoas). Sempre com a gente. A violência continua, mas em lugares diferentes

sexta-feira, 10 de junho de 2011

The Economist: Assassinato no Brasil (Alagoas). Sempre com a gente. A violência continua, mas em lugares diferentes


O caminho de Maceió, capital do Estado de Alagoas, para o seu aeroporto passa carro de luxo, showrooms e lojas que vendem jacuzzis desmedida. Na central de reservas, as famílias indigentes vivem sob lonas de plástico. Mesmo para os padrões do Nordeste do Brasil, Alagoas é marcada pela pobreza e extrema desigualdade. Com 107 assassinatos por 100.000 pessoas, Maceió é também a capital do Estado mais violento do Brasil, assim como, com 60 homicídios por 100 mil, Alagoas é o estado mais violento do país (ver gráfico). É um lugar de açúcar e gado, onde os cortadores de cana acertar contas com os punhos, facas e escapar da punição bem conectado usando assassinos contratados em seu lugar.

Sol o ano inteiro, belas praias e recifes de coral significam o turismo oferece melhores chances de desenvolvimento de Alagoas. Mas o seu status de capital brasileira do crime a coloca em risco. Funcionários do Estado estão desesperados para salientar aos alagoanos que matar uns aos outros, forasteiros ou não e nas favelas, não são sinais de beleza. Vítimas e assassinos são muitas vezes indistinguíveis: desempregados, analfabetos, viciada em drogas, homens jovens, diz Jardel Aderico, o secretário estadual de paz, cujo cargo representa uma aspiração.

Taxa de assassinatos do Brasil praticamente não se moveu durante a última década, cerca de 26 por 100.000. Mas a geografia do crime mudou, observa Julio Jacobo Waiselfisz do Instituto Sangari, um think-tank em São Paulo. Em 1998, São Paulo e Rio de Janeiro foram mais violentos do que a média; e não Alagoas. Um melhor policiamento e crescimento econômico são a causa da queda da taxa de homicídio por quase dois terços em São Paulo e dois quintos no Rio durante a década. Os criminosos expulsos das fortalezas de longa data seguiram o dinheiro para as áreas de desenvolvimento industrial e novos destinos turísticos. A exploração madeireira ilegal e grilagem de terras, juntamente com novas rotas transfronteiriças de armas e drogas, o crime alojou-se na Amazônia. E Alagoas, com o governo do Estado endividado e polícia fraca, corrupta e, muitas vezes em greve, esteve por muitas vezes sem lei..


As coisas estão começando a melhorar em Alagoas. O Banco Mundial, que em 2009 emprestou o estado de $ 195m para estabilizar suas finanças e melhorar a sua gestão, diz que as metas de empréstimo tenham sido cumpridas. Agora ela está trabalhando com o estado em um plano para erradicar a pobreza extrema. Governador de Alagoas, Teotônio Vilela Filho, recentemente reeleito para um segundo mandato, comprou os carros de polícia e armas novas, e terminou a prática de nomear os chefes de polícia de acordo com suas conexões políticas. Sr. Aderico espera que as "lições de paz" nas escolas crie uma geração menos violenta de alagoanos.

Mas, no curto prazo, a melhor esperança do Estado de mover para baixo no ranking assassinato é que os outros subam. Os políticos locais querem dividir Pará, um grande estado amazônico, em três. Se forem bem sucedidos, mapa do Brasil de violência vai mudar mais uma vez. Marabá, que se tornaria capital do Pará, sul, herdaria o título de capital de assassinatos e poupar Maceió de sua vergonha.






*Retirado do site da revista inglesa The Economist (clique aqui)

**Tradução minha com ajuda do tradutor do Google. Caso algo esteja inadequado, favor, coloquem nos comentários.

Nenhum comentário: