Blog do Cadu: Mais impostos para os mais ricos

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Mais impostos para os mais ricos


Warren Buffett pede aumento de impostos dos mais ricos como ele


Deu no G1

Bilionário norte-americano criticou isenções fiscais aos mega-ricos.
EUA aprovaram plano para cortar déficit que não prevê alta de impostos.

O bilionário investidor Warren Buffett pediu aos congressistas americanos o aumento dos impostos para as pessoas mais ricas, com o objetivo de reduzir o enorme déficit orçamentário do país, afirmando que a medida não afetará os investimentos nem os empregos.

Em um artigo publicado no jornal "New York Times", o diretor do fundo de investimentos Berkshire Hathaway propõe um aumento dos tributos para os americanos com renda superior a um milhão de dólares por ano e uma alta ainda mais importante para os que recebem mais de US$ 10 milhões por ano.

"Nossos líderes pediram 'um sacrifício compartilhado'. Mas quando fizeram este pedido me excluíram. Perguntei a meus amigos mega-ricos quais sacrifícios esperavam que fossem impostos a eles. Eles também não foram afetados", escreve o bilionário.


"Enquanto os pobres e a classe média combatem por nós no Afeganistão e enquanto muitos americanos lutam para chegar ao fim do mês, nós, os mega-ricos, continuamos nos beneficiando com isenções fiscais extraordinárias", acrescenta.

Buffet explica que os impostos que pagou ao Estado federal representaram 17,4% de seus ganhos no ano passado, enquanto o das 20 pessoas que trabalham em seu escritório oscilou entre 33 e 41%.

A taxa de impostos dos ricos era muito mais elevada nos anos 1980 e 1990 e, no entanto, foram criados quase 40 milhões de empregos entre 1980 e 2000, recorda Buffett. "Vocês sabem o que aconteceu depois: impostos mais baixos e muito menos empregos criados". "As pessoas investem para ganhar dinheiro e uma potencial taxação jamais as fez fugir" completou.

O Congresso americano alcançou um acordo de última hora em 2 de agosto sobre o aumento do teto da dívida federal, quando o país ficou à beira do calote e depois de semanas de negociações entre republicanos e democratas. O texto prevê cortes orçamentários, mas não aumentos de impostos.

Um comentário:

GAbiRu disse...

outro ponto de vista, com alguns dados: http://www.ordemlivre.org/textos/1353