Blog do Cadu: A cara de pau do coronel Ustra

sábado, 11 de maio de 2013

A cara de pau do coronel Ustra

O coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra dirigiu o Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna do 2º Exército em São Paulo (DOI-Codi/SP) – órgão de repressão da ditadura civil-militar de 1964, entre os anos de 1970 e 1974. Em depoimento à Comissão Nacional da Verdade (CNV) negou que tivesse cometido ou ordenado torturas e assassinatos. E o fez diante de advogados de presos políticos torturados por ele e de Gilberto Natalini (PV-SP), vereador e presidente da Comissão da Verdade da cidade de São Paulo.

O que dizer diante de tamanha cara de pau?

Essa é a versão da direita sobre o golpe de 1964. suas palavras à CNV são quase as mesmas que foram escritas por Roberto Marinho em editorial de O Globo em 1984. Ustra e Marinho afirmaram que o golpe foi dado em nome da democracia e da defesa da moralidade.

Se fosse vivo, não seria surpresa se Roberto Marinho publicasse um novo editorial defendendo Ustra e sua versão fantasiosa sobre aquele terrível momento. Talvez com um título que lembrasse a chamada de capa de 02 de abril de 1964 de O Globo. Nessa a chamada era “Ressurge a democracia”, hoje poderia ser “em defesa da democracia”. Quem sabe o filho do Roberto chamado João, não tenha pensado nisso.


O pior disso tudo é que como o coronel reformado existem um sem número de pessoas, que não viveram aquele período, inclusive, defendendo o golpe de 1964. É comum ouvir que “no tempo dos militares é que era bom”. Uma lástima.

Ustra também afirmou que se lutava contra “terroristas que queriam o comunismo no Brasil. Queriam transformar o país em uma nova Cuba”. A ignorância nem sempre é uma benção. O Brasil nunca poderia ser tornar uma “nova Cuba”. Os países são diferentes em tamanho, cultura, história e potencial econômico. Mas há coisa lá que seria bom que tivesse por aqui como o analfabetismo zero,ou nenhuma criança dormindo na rua. Mas o debate não é Cuba, é o Brasil.

O país sempre se construiu para beneficiar as elites. De aristocratas às financeiras. Quando começou a se discutir reformas como a agrária e a questionar o papel estadunidense no Brasil, veio o golpe. Sobre as duas balelas encruadas nas cabeças de muita gente: defesa da democracia e combate ao comunismo.

A CNV tem que ir a fundo nas suas investigações. Toda a podridão que está embaixo do tapete tem que vir à tona. Inclusive a participação da “grande imprensa” no golpe de 1964. Dos setores privados também. Não se trata de revanchismo e sim de revelação dos fatos. Revanchismo seria se estivesse sendo defendido que figuras como Ustra fossem postos em um pau de arara e sofresse o mesmo sofrimento que causou a – ainda – não se sabe quantos.


3 comentários:

Fábio disse...

Verdade. O Coronel Ustra prestou depoimento na Comissão da Verdade, mas como todo bom mentiroso ele disse que é um herói. Depois se recusou a responder perguntas especificas sobre os crimes que cometeu.

Antes de ir depor, entretanto, o criminoso Ustra pediu um HC para poder ficar calado. Curiosa esta sua atitude. Se algum dos seus interrogados na década de 1970 dissesse que queria impetrar um HC ele certamente o faria sofrer um pouco mais ao invés de lhe conceder o direito que agora exige.

A Comissão da Verdade, composta por homens e mulheres extremamente civilizados, não conseguiu arrancar nada do velho criminoso. O problema é a técnica de interrogatório utilizada? Ustra deveria no mínimo ser submetido às mesmas técnicas que empregou: Cadeira do Dragão, Cama de Boilesen, Pimentinha (choque elétrico), Telefone (tapas nos ouvidos até o réu ficar surdo) e tonto), Submarino (afogamento com toalha no rosto) e o famoso Pau-de-arara. Na boa este criminoso contumaz não vai “cantar”.

Ustra é um típico sociopata. É incapaz de sentir remorso ou de acreditar que suas vitimas eram tão humanas quanto ele próprio (muito embora ele tenha sido bem mais desumano do que elas). É por isto que resolvi publicar a foto dele ao lado da de Chico Picadinho (http://www.facebook.com/photo.php?fbid=598597330164099&set=a.345737828783385.85599.100000415136357&type=1&theater).

Ustra e Chico Picadinho têm algumas coisas em comum. Ambos são criminosos sociopatas em série. Ambos não sentem remorso. Ambos têm até o mesmo sorriso sádico. A única diferença entre ambos é que Ustra está livre e Chico Picadinho está preso.

Na internet os milicos trolaram o dia inteiro ontem. Até ameaças de golpe andei lendo. Há, há, há… estes Espantalhos assustados e de pintos murchos pensam que assustam alguém. Há, há, há… vão morrer de saudades do tempo que fichavam seus desafetos no DOPS e os torturaram no DOI-CODI.

Anônimo disse...

A ditadura foi um crime perpetuado durante mais de 20 anos, contou com o apoio total dos grandes meios de comunicação, hoje ela ainda sobrevive graças as togas que acham que o golpe de 64 "um mal necessário", graças a Lei da Anistia (ou seria da Impunidade?).

É bom que todos os crimes e histórias escabrosas venham a tona, o País precisa saber do que esse bando de criminosos foi capaz, isso deveria passar em rede nacional pra dispertar ainda mais o sentimento de nojo e indignação no Povo Brasileiro.





.
.
.

Helder

Rebeca Silva disse...

Um dos mais brutais torturadores que protagonizaram o terrorismo de Estado que ensangüentou o Brasil durante os vinte anos do regime militar (1964-1984) e que no cargo de coronel enoja e cobre de infâmia a imagem do exército brasileiro, o genocida brasileiro Alberto Brilhante Ustra