Blog do Cadu: Desculpas que a Globo não pediu (e nem vai pedir)

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Desculpas que a Globo não pediu (e nem vai pedir)





Ao término do mês de agosto e início de setembro, as Organizações Globo publicaram um pedido de desculpas pelo apoio ao golpe civil-militar de 1964. Afirma que errou motivada pela defesa da democracia (?). No editorial, os filhos do Roberto Marinho afirmam que “a democracia é um valor absoluto”. Dá para acreditar nisso?

A tevê Globo surgiu em 1965, um ano após o golpe de 1964. Por mais que você acredite em coincidências, essa é demais. Em dois de abril do ano que parou o Brasil no tempo por 20 anos, o título de seu editorial era “ressurge a democracia”. A Globo só é “A” Globo por causa do golpe e para provar que suas desculpas são sinceras, os filhos do Roberto Marinho precisam pedir muito mais desculpas. Por que se, a “democracia é um valor absoluto”, então começa logo desfazendo seu monopólio midiático, para garantir a pluralidade de informação e opinião no Brasil.

Entre as desculpas segue uma pequena lista, que não está em ordem cronológica: desculpas pela tentativa de golpe na eleição do Brizola no Rio de Janeiro em 1982; desculpas por enganar o povo brasileiro ao afirmar que o comício pelas eleições diretas na Praça da Sé nos anos 1980 era uma comemoração ao aniversário de São Paulo; desculpas pela edição do debate entre Lula e Collor na eleição presidencial de 1989; desculpas por sempre apoiar o militarismo imperial europeu e estadunidense no Oriente Médio e em países “não alinhados”; desculpas por se omitir diante da presepada das privatizações de FHC e sobre a forma que como comprou sua reeleição no Congresso Nacional – não deixe de ler “O Príncipe da Privataria” – e tem mais.

Desculpas pela proteção aos desvios das elites brasileiras e suas instituições como os bancos privados; desculpas pela tentativa de golpe durante os governos de Lula, principalmente a partir de 2005; desculpas pela bolinha de papel do Serra; desculpas por tentar fazer uma pessoa como José Serra ser presidente do Brasil; desculpas pelo tomate; pela conta de luz; pelo descontrole inflacionário que nunca veio e por fazer seres humanos assistirem e ouvirem “analistas” como Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg e desculpas pelo futuro apoio a Aécio Neves ou Marina Silva na eleição do ano que vem.

Deve desculpas pela atmosférica sonegação de impostos e pelo furto de dinheiro de milhões de brasileiros no seu “Criança Esperança”. Segundo o Wikileaks, apenas 10% do arrecadado com as doações tem o destino descrito por seus artistas durante a campanha global.

Deve desculpas por ajudar a conspirar ou apoiar conspirações contra governos democraticamente eleitos nos países vizinhos como Venezuela, Paraguai, Bolívia, Equador e Argentina. Apenas por discordância ideológica ou em defesa das elites locais. Isso não condiz com a afirmação de que “democracia é um valor absoluto”.

Como se vê, desculpas não faltam à Globo para ela pedir, nem que seja meia-boca como foi esse editorial sobre o golpe de 1964. Aliás, deve desculpas por ter publicado um pedido de desculpas tão chinfrim como esse.

Nenhum comentário: