Blog do Cadu: Coelhos do ódio conservador

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Coelhos do ódio conservador



Charge de Vitor Teixeira
Já não é de agora que, com as recentes vitórias eleitorais do PT, a direita no Brasil está mais raivosa e se mostrando mais. É comum vermos as pessoas conservadoras expondo seu ódio a programas sociais, aos movimentos sociais e a personalidades da esquerda.

Também já não é de agora vermos a cara de pau desses setores conservadores que fazem campanha diuturnamente contra qualquer ação, gesto ou defensor de qualquer questão popular. Como durante toda a vida moderna do país, são do mesmo espectro que deu origem à Marcha da Família, com Deus pela Liberdade. Esse foi o movimento que serviu como desculpa para o golpe civil-militar de 1964.

Exemplos desse tipo de gente não faltam. Tanto Brasil afora como em Alagoas. Basta ver o que o senador Álvaro Dias compartilha em seus perfis nas redes sociais. Ele “esqueceu” de informar à Justiça Eleitoral um patrimônio de R$ 6 milhões de reais. Em sua declaração havia apenas R$ 1,9 milhão. Curioso é saber por que uma de suas filhas, não reconhecida, lhe cobra 16 milhões de reais em uma ação. Esse valor é a soma de suas casas em Brasília.

Ou mesmo o ex-mosqueteiro da ética, o ex-senador Demóstenes Torres envolvido em uma cachoeira de tramoias contra a República. E sim, isso foi um trocadilho. O pior é ver a não reação dos moralistas. Torres “sofreu” aposentadoria compulsória do Ministério Público. Ele recebe singelos R$ 22 mil por mês como punição. Que coisa!

Em Alagoas, o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) local, o advogado Omar Coelho, filiado ao DEM, é um dos mais atuantes militantes do ódio conservador nas redes sociais. Seja no Instagram, Twitter ou Facebook.

Para quem ainda não sabe tem uma gravação, de uma reunião de campanha da chapa que ele apoiava para as últimas eleições na OAB. No áudio é nítido o ouvirmos dizer que pagou cinco mil reais por um voto na eleição anterior. Como alguém que compra votos por milhares de reais em uma eleição corporativa tem moral para dizer o que quer que seja sobre desvios ou não de alguém?

Omar Coelho também é defensor do fim do sufrágio. Pois fez – e faz! – campanha para que os beneficiários do programa Bolsa Família percam seu direito de votar.

Sem contar suas publicações sobre o mandado de prisão dos réus da Ação Penal 470. Juristas de todo o país estão debatendo, dentro das teses das ciências jurídicas, todo o julgamento. Coelho se limita a reproduzir ódio de classe contra o PT. De repente, não detém domínio do ofício que exerce, mesmo sendo filho de um – segundo consta – excelente advogado.

Omar nada diz sobre o fato de seu correligionário, o vice-governador José Thomaz Nonô, ter usado o helicóptero da SAMU para viajar pelo estado. E viva o patrimonialismo!

Mas a proliferação do ódio de classe não fica apenas com as “celebridades”. Infelizmente. Elas são apenas a caixa de ressonância para os “simples mortais” se regozijarem.

Essas pessoas provavelmente sonegam impostos, tentam dar um “jeitinho” para não pagar multas de trânsito, usam aplicativos de celular para driblar blitz nas ruas, arranjam atestados médicos com amigos para não sofrerem faltas no trabalho e nos estudos. E por aí vai. A lista é grande e a cara de pau também.

Um comentário:

Adriana disse...

Tenho parentes( graças a Deus vivem bem longe de mim)q ao mesmo tempo q compartilham no face recados religiosos,tbm compartilham o odio a Lula,Dilma e PT.É o cinismo e hipocrisia a serviço da direita...