Blog do Cadu: É proibido precisar de médicos em Alagoas

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

É proibido precisar de médicos em Alagoas

Não se atreva necessitar de médicos em Alagoas. Tanto faz se for legista ou não. Não fique doente, não tenha parentes ou amigos nessa condição e jamais ouse ser baleado em terras Caetés.

Os médicos do estado entraram em greve novamente. Segundo o presidente do Sindicato dos Médicos, Wellington Galvão, a categoria entrou em greve por conta da não implementação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) e que ela pode durar até o final do ano.

Em matéria publicada no portal Repórter Alagoas, Galvão relata o caos no Hospital Geral do Estado (HGE). “As pessoas morrem e fica por isso mesmo. Uma mulher chegou ao HGE, estava sentada e ali morreu infartada”. Segundo informou falta até analgésico.

Ele também afirmou que o acordo firmado entre os médicos legistas e o governo do estado não foi cumprido e por isso também entrarão em greve.

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Sebastião Costa, decretou a ilegalidade da greve.

Nenhuma novidade. Se você for polvilhado em açúcar, somente bonanças para você.


Não tem analgésico, mas o Ministério Público Federal em Alagoas pediu a instauração de processo-crime contra Álvaro Machado, o ex-secretário estadual de Saúde e atual chefe do Gabinete Civil do governo estadual.

Ele teria dispensado licitações para compra de medicamentos com recursos do programa Farmácia Básica no valor de 643,5 mil reais de forma irregular, mas não tem analgésico no HGE. Foram ao todo 72 dispensas de licitação.

Em nota, Álvaro Machado negou irregularidades e que ainda não teve acesso às denúncias.

Foi feito o quê desse dinheiro?

Se o governo fosse do PT, isso seria matéria de Jornal Nacional.

Só este ano já morreram quase duas mil pessoas. Não se mata em lugar algum, o que se mata em Alagoas.

Segundo o Instituo Sangari, foram 66,8 por 100 mil habitantes em 2010 – maior índice nacional. Entre os negros, segundo dados do governo federal, esse número sobre para 80,5.

O governo do estado não conseguiu fazer o plano “Brasil Mais Seguro” passar de um ato no centro de convenções. E quem paga o pato é o povo alagoano.



Nenhum comentário: