Blog do Cadu: Boicote o Itaú

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Boicote o Itaú





O Banco Itaú, da família Setúbal, parece realmente não gostar do Brasil. O que é uma contradição, pois poucos países no mundo dão tanto lucro aos bancos quanto o nosso.

Em outros momentos, seus executivos defenderam a geração de desemprego para, pasmem, melhorar a economia do país. Não basta ter lucros estratosféricos, tem que ter gente desempregada para a distância entre ricos e pobres ser a maior possível.

Agora é a vez de referendar a ditadura civil-militar de 1964. Em sua agenda personalizada, o Banco Itaú chama o golpe de 1964 de revolução e reafirma a tese oficial do regime – à época, com o devido apoio da imprensa grande – sobre a morte de Vladmir Herzog: suicídio.

Revoluções são feitas com o apoio popular. É a forma que os povos encontram de mudar os rumos de suas nações de forma abrupta. Golpe de Estado é a forma encontrada para tomar o poder afim de, única e exclusivamente, manter ou conquistar poder. Eles podem ser violentos ou não. O que houve em 1964 foi um golpe.

O povo brasileiro apoiava as medidas de João Goulart. Todas no sentido de democratizar as relações sociais, econômicas e, consequentemente, políticas no Brasil. A elite, para manter seu status quo, fez o que fez. Apesar de termos tido manifestações de rua, ali não estava o povo e sim as camadas mais abastadas da população.

É muito pouco provável que todos os clientes desse banco pensem o Brasil como pensa seus executivos. Um país para a elite, onde poucos têm o direito ao acesso a bens de consumo e oportunidades. Tampouco sobre o período do governo ditatorial.

Mas o banco dos Setúbal prefere fazer a disputa política para além dos bastidores. Como a mídia, se comporta como um partido político. Além, é claro, de financiar tantos outros por aí.

Porém, se tem algo de bom na postura que adota o banco, é que dar para ter uma ideia de como pensam os brasileiros mais abastados. Desemprego e golpe contra a democracia.

Isso está no cerne da formação das classes sociais no Brasil. Não importa se aqui há miséria, se não há democracia, o que importa é o lucro e o status de elite bem, mas bem distante dos mais pobres. Contanto que se possa ir a Paris no final de semana, está tudo certo.

Como resposta, aqueles brasileiros e brasileiras que conhecem a nossa História, sabem pelo o que esse país passou para chegar até aqui, sabem das sequelas que todas as arbitrariedades de nossa elite nos causou em nosso desenvolvimento econômico, social e político deveriam boicotar o Itaú e tudo o que ele está envolvido.

Se isso não basta, saiba que o Itaú deve à Receita Federal 18,7 bilhões de reais e é o banco que mais demite trabalhadores no Brasil.

Se o banco não gosta do Brasil, o Brasil também não pode gostar dele. Sim, por que chamar o golpe de revolução e afirmar que Herzog se suicidou é não gostar do país. Além de um desrespeito à inteligência e à memória de nosso povo.

Um comentário:

Ricardo Rosa dos Santos disse...

SEM DÚVIDA ALGUMA TODOS NÓS TEMOS QUE ACABAR COM ESTES GRUPOS ECONÕMICOS E TAMBÉM COM ESTAS MÍDIAS GOLPISTAS QUE ESTÃO AÍ SOMENTE PARA DAR GOLPE NÃO SÓ ECONOMICO MAS TAMBÉM INTELECTUAL. E UMA DAS MANEIRAS É ESTA DE TIRAR AS CONTAS DESTAS INSTITUIÇÕES E TAMBÉM DEIXAR DE ASSISTIR ESTAS MÍDIAS.